Iniciar sessão

Navegar para Cima
Instituto de Investigação
em Vulcanologia e Avaliação de Riscos
Última hora:



Teses ► Mestrado

 

Referência Bibliográfica


MALHEIRO, A. (2002) - Identificação, caracterização e proposta de sistematização dos parâmetros de vulnerabilidade a considerar no âmbito da avaliação do risco vulcânico. Dissertação​ de Mestrado em Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos, Dep. Geociências, Universidade dos Açores, 136p.

Resumo


O presente trabalho integra-se no contexto mais vasto da avaliação do risco vulcânico, incidindo na identificação, caracterização e sistematização dos elementos e parâmetros de vulnerabilidade a considerar para a sua determinação.

 

Esta é uma tarefa que vem ganhando cada vez mais importância atendendo ao facto da ocupação das áreas em torno dos vulcões continuar a crescer, em grande parte devido à riqueza dos solos vulcânicos.

 

A vulnerabildade depende de vários factores, uns inerentes aos próprios perigos, outros aos elementos de vulnerabilidade, incluindo os de carácter social, económico, cultural e ainda ambiental. Neste contexto, os estudos desta natureza que visem a avaliação quantitativa das vulnerabilidades tornam-se extremamente complexos.

 

No presente trabalho foi analisado um vasto conjunto de bibliografia da especialidade no sentido de se identificarem e caracterizarem os vários perigos vulcânicos (directos e indirectos) e os diferentes elementos de vulnerabilidade. Assim, consideraram-se como perigos vulcânicos directos as escoadas lávicas, os piroclastos de queda, as escoadas piroclásticas e surges, os Iahars, os gases vulcânicos e, como perigos indirectos decorrentes da actividade eruptiva, os sismos, a deformação do solo, os movimentos de massa e os tsunamis. Como elementos de vulnerabilidade consideraram-se as pessoas, os animais, as habitações, os edifícios comerciais e industriais e todos os restantes tipos de construções (hospitais, escolas, serviços, etc.), as infra-estruturas (estradas, caminhos de ferro, pontes, aeroportos, telecomunicações, etc.), as culturas e todas as outras actividades económicas.

 

A análise global efectuada permitiu a identificação e sistematização dos parâmetros de vulnerabilidade, tendo-se construído uma tabela na qual são propostos valores críticos gerais, passíveis de serem utilizados na determinação das vulnerabilidades. Dada a especificidade de cada sistema vulcânico considera-se que, qualquer análise deste tipo deve incluir, igualmente, a aplicação dos valores críticos específicos da zona em estudo.

 

Foi também definida uma metodologia para a avaliação das vulnerabilidades, que inclui a análise do perigo e uma avaliação referente aos elementos expostos. No primeiro caso, concluiu-se pela importância de: estudar e definir a história eruptiva da zona em análise; identificar e caracterizar os perigos vulcânicos existentes, assim como avaliar a frequência com que ocorrem, e respectiva magnitude; caracterizar o tipo do evento mais provável (EMP) e o de maior magnitude (EMM); e efectuar a simulação de erupções para cada um dos perigos vulcânicos em causa, assumindo os valores críticos para o EMP e o EMM. No que se refere aos elementos expostos, definiu-se como necessário: proceder ao levantamento da sua realidade física, social, económica, cultural e ambiental; identificar e caracterizar os elementos de vulnerabilidade em termos de exposição e comportamento; e efectuar a cartografia dos elementos de vulnerabilidade, projectando- os num sistema georeferenciado.

 

A metodologia proposta foi aplicada arbitrariamente à ilha Terceira, tendo-se procedido à simulação de duas erupções de natureza basáltica. Estas foram localizadas em zonas de maior densidade de focos eruptivos (definidas por Self, 1973). Verificou-se que o procedimento sugerido é eficaz para os objectivos pretendidos, devendo dar-se continuidade aos levantamentos geológicos e à aquisição da informação necessária para se definirem os valores críticos para os diferentes sistemas vulcânicos do arquipélago.

Observações


Anexos