Iniciar sessão

Navegar para Cima
Instituto de Investigação
em Vulcanologia e Avaliação de Riscos
Última hora:



Artigos em livros de actas ► Internacionais

 

Referência Bibliográfica


PIMENTEL, A., SPARKS, R.S.J., PACHECO, J.M. (2005) - Dinâmica de instalação de escoadas lávicas traquíticas s.l.: aplicação à ilha Terceira, Açores. Comunicações de Geofísica - 4º Simpósio de Meteorologia e Geofísica da APMG, 6º Encontro Luso-Espanhol de Meteorologia, p. 118 - 121.​

Resumo


A morfologia das escoadas lávicas encontra-se fortemente associada à sua dinâmica de instalação. As dimensões das escoadas lávicas são controladas por múltiplos de factores, tais como, a reologia da lava, a taxa de efusão e as características da superfície de fluxo. Este trabalho tem como objectivo o desenvolvimento de um modelo simples que permita determinar a gama de comprimentos que as escoadas lávicas traquíticas s.l. podem alcançar. O modelo tem em consideração o efeito dos diferentes factores durante o processo de instalação das escoadas lávicas. Assumiu-se que a taxa de efusão segue um decréscimo exponencial com o tempo, tal como é esperado para uma câmara magmática pressurizada. O modelo considera também que o aumento da viscosidade aparente da lava com a distância e o tempo segue uma relação de potência. O efeito do declive da superfície de fluxo e das propriedades físico-químicas da lava são dados pela equação de Jeffreys. O modelo foi aplicado a escoadas lávicas traquíticas da ilha Terceira, Açores, tendo-se verificado uma boa correlação entre a gama de comprimentos estimados e os observados nas escoadas. Estes resultados demonstraram que o modelo permite determinar o comprimento das escoadas lávicas traquíticas s.l. de um modo simples mas eficaz.

Observações


Anexos