Iniciar sessão

Navegar para Cima
Instituto de Investigação
em Vulcanologia e Avaliação de Riscos
Última hora:



Painéis ► em encontros nacionais

 

Referência Bibliográfica


SENOS, M.L., GASPAR, J.L., CARRILHO, F., QUEIROZ, G., ALVES, P., FERREIRA, T. (1997) - Estrutura do Sistema de Vigilância Sismológica dos Açores (SIVISA). "III Encontro de Sismologia e Engenharia Sísmica". Lisboa, Instituto Superior Técnico, Dezembro (Poster).

Resumo


O Instituto de Meteorologia (IM) e a Universidade dos Açores (UA) encontram-se a desenvolver um programa de cooperação técnica e científica que envolve a gestão do Sistema de Vigilância Sismológica dos Açores (SIVISA). Tal atitude visa aprofundar o conhecimento científico sobre o comportamento das principais áreas sismogénicas desta área do Atlântico Norte e incrementar a capacidade de resposta às autoridades responsáveis pela implementação de acções de Protecção Civil.
 
O programa em causa baseia-se na rendibilidade e na complementaridade dos meios humanos e técnicos disponíveis para a análise da sismicidade da região. Neste contexto fundiram-se as duas redes sísmicas analógicas existentes no arquipélago, num total de 28 estações, cuja operacionalidade passou a ser garantida por cerca de 30 técnicos de ambas as instituições.
 
A estrutura do SIVISA compreende, presentemente, quatro pólos localizados nas ilhas de S.Miguel (2), Terceira e Faial, onde se procede ao registo da informação proveniente de diferentes estações sismológicas. Uma vez analisados localmente, os dados são enviados para um Centro de Coordenação, sediado na ilha de S.Miguel, onde se concretiza o respectivo processamento integrado.
           
Em termos evolutivos perspectiva-se, a curto prazo, a digitalização dos dados analógicos recebidos nos vários pólos. O sistema em questão está a ser testado no pólo da ilha do Faial e a sua versatilidade permitirá, certamente, o tratamento mais rápido e preciso de toda a informação adquirida. A implementação de uma rede sísmica regional digital e o desenvolvimento de redes locais destinadas à vigilância vulcanológica são outras das medidas que o IM e a UA, respectivamente, têm projectadas até ao final do século.

Observações


Anexos