Iniciar sessão

Navegar para Cima
Instituto de Investigação
em Vulcanologia e Avaliação de Riscos
Última hora:



Painéis ► em encontros nacionais

 

Referência Bibliográfica


ZANON, V. (2103) - O estudo de rochas vulcânicas permite compreender fenómenos de profundidade. Jornadas "Ciência nos Açores - Que Futuro?", Ponta Delgada, 07 e 08 de Junho (Poster).

Resumo


​A natureza vulcânica dos Açores implica a necessidade de um conhecimento cada vez mais aprofundado e contínuo dos seus sistemas vulcânicos para que seja dada a resposta mais adequada aquando da ocorrência de um evento eruptivo. Desde o povoamento das ilhas o arquipélago foi palco de pelo menos 28 erupções vulcânicas, com várias intensidades e com vários volumes emitidos. Devido à dimensão das ilhas e ao facto das populações habitarem não apenas nos flancos de vulcões, mas inclusivamente no interior das suas caldeiras, a existência de um programa de monitorização robusto é fundamental para possibilitar detectar eventuais sinais de reactivação dos sistemas.

 

Contudo, as correcta interpretação dos dados obtidos pelas várias técnicas de monitorização (geofísica, geodésica e geoquímica dos gases emitidos) necessitam de ser suportadas pelo conhecimento da estrutura interna dos vulcões. Desta forma os precursores de actividade vulcânica podem ser interpretados com maior facilidade de forma a que a resposta à protecção civil seja o mais adequada possível. Os estudos da composição das rochas e dos gases aprisionados no seu interior contribuem para (1) identificar a presença de reservatórios magmáticos em profundidade, (2) reconhecer os processos que se desenvolvem no seu interior, (3) compreender a evolução geoquímica dos magma e o possível incremento de explosividade e (4) estimar a quantidade de gás dissolvido nos líquidos silicatados até que estes se libertem à superfície. Estes são dados de base fundamentais para compreender o funcionamento do sistema vulcânico e assim dar uma resposta mais atempada perante cenários de crise vulcânica.

 

 

Understanding deep phenomena from the study of volcanic rocks

 

ABSTRACT

The volcanic nature of the Azores archipelago leads to the need for an increasingly and continuous knowledge of the volcanic systems in order to give the most appropriate response if an eruptive event will occur. Since the settlement of the islands, the archipelago was affected by at least 28 volcanic eruptions covering a wide range of eruptive styles. The size of the islands, associated to the fact that people lives not only in the flanks of the volcanoes, but also inside their calderas, guides to the need of a robust monitoring program with the goal to detect possible signs of volcanic unrest. However, the information obtained by the various monitoring techniques (geophysical, geochemical and geodetic) used needs to be integrated with the knowledge of the internal structure of volcanoes so the precursors of volcanic activity can be better understood and the response to civil protection is the most appropriate. Studies of the rocks composition and gases trapped in its interior contribute to (1) identify the presence of magmatic reservoirs at depth, (2) recognize the processes occurring at depth, (3) understand the geochemical evolution of magma and the consequent increase of explosivity and (4) estimate the amount of dissolved gas in the initial liquid silicate and its path until the surface. These are basic data to understand how the volcanic systems work and to prompt an alarm before a volcanic crises.

Observações


Anexos