Iniciar sessão

Navegar para Cima
CIVISA
Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores
Última hora:



 

 Glossário

 
 

 utilitários

 

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z


Aceleração do solo
Medida da variação da vibração do solo em função do tempo. Ao ocorrer um sismo o deslocamento e a vibração do solo não são constantes, pelo que a aceleração é um parâmetro importante para conhecer o comportamento das construções.

Atenuação sísmica
Decréscimo com a distância da amplitude de qualquer grandeza utilizada para descrever a acção destrutiva de um sismo (exemplo: intensidade sísmica, aceleração de pico, velocidade de pico, etc.).

Efeito de sítio
Amplificação ou atenuação da vibração do solo na superfície, provocada pelas características locais do sítio: topografia, geologia, etc.

Energia sísmica
Energia libertada no hipocentro do sismo e que se propaga em todas as direcções sob a forma de ondas sísmicas.

Epicentro
Ponto à superfície da Terra, localizado na vertical do hipocentro.

Escala Macrossísmica Europeia (EMS-98)
Escala qualitativa resultante de revisões de muitas escalas de intensidade utilizadas, tendo em conta as diferentes técnicas de construção de edifícios. A primeira versão foi publicada em 1992, e foi posteriormente revista por Grünthal em 1998.

Escala de magnitudes
Escala que mede a quantidade de energia libertada de um sismo com base em observações recolhidas através de equipamento sísmico. É uma escala aberta pois não tem mínimo nem máximo. Existem muitas escalas de magnitude sendo a mais conhecida a Escala de Richter.

Escala de Mercalli Modificada (MM-56)
Escala qualitativa usada para classificar a intensidade de um sismo a partir dos seus efeitos em pessoas e estruturas na superfície da Terra. A Escala de Mercalli foi desenvolvida por Giuseppe Mercalli em 1902 sendo posteriormente sujeita a aperfeiçoamentos por vários autores. A última revisão foi efectuada em 1956 por Richter.

Escala de Richter
Escala numérica logarítmica que mede a energia libertada por um sismo, através da medição da amplitude das ondas sísmicas. Foi desenvolvida por Richter e Gutenberg em 1935.

Falha sismogénica
Falha activa potencialmente geradora de sismicidade.

Fonte sísmica
Local no interior da Terra onde ocorre o processo de rotura que origina um sismo. Para sismos de pequena magnitude a fonte sísmica coincide com o hipocentro. Para sismos de elevada magnitude, em que ocorre rotura ao longo de grandes extensões do plano de falha, a fonte sísmica corresponde a toda a área de rotura.

Hipocentro
Ponto no interior da Terra onde se inicia o processo de rotura sísmica, a partir do qual se propagam as ondas sísmicas.

Intensidade sísmica
Medida qualitativa da severidade da vibração do solo provocada pela passagem das ondas sísmicas numa determinada área, com base nos efeitos observados em pessoas, objectos, estruturas e elementos naturais, tal como eles são testemunhados pelas pessoas.

Isossista
Linha projectada num mapa que une pontos com igual intensidade sísmica referente a um determinado sismo.

Magnitude de duração (MD)
Medida instrumental da grandeza (dimensão) de um sismo, expressa pela quantidade de energia libertada durante a rotura sísmica, tendo por base a duração do registo instrumental das ondas sísmicas. É válida para sismos fraca magnitude ocorridos a curtas distâncias relativamente à rede sísmica.

Magnitude local (ML)
Medida instrumental da grandeza de um sismo, expressa pela quantidade de energia libertada durante a rotura sísmica, tendo por base a amplitude das ondas S registadas instrumentalmente em sismogramas. É aplicada a sismos de pouca profundidade focal (< 70 km) situados a média distância relativamente à rede sísmica (< 600 km).

Magnitude de momento (Mw)
Medida instrumental da grandeza de um sismo, expressa pela quantidade de energia libertada durante a rotura sísmica, tendo por base um parâmetro físico de fonte sísmica denominado momento sísmico.

Magnitude de ondas de superfície/corpo (MS)
Corresponde a uma extensão da definição de Magnitude ML, sendo a medida instrumental da grandeza (dimensão) de um sismo, expressa pela quantidade de energia libertada durante a rotura sísmica, tendo por base a amplitude das ondas de Rayleigh registadas instrumentalmente em sismogramas. É aplicada a sismos de pouca profundidade focal (< 50 km) situados a grandes distâncias relativamente à rede sísmica (> 600 km).

Magnitude de ondas de volume (Mb)
Corresponde a uma extensão da definição de magnitude ML, sendo a medida instrumental da grandeza (dimensão) de um sismo, expressa pela quantidade de energia libertada durante a rotura sísmica, tendo por base a amplitude das ondas P registadas instrumentalmente em sismogramas. É aplicada a sismos de diferentes profundidades focais e média distância relativamente à rede sísmica.

Magnitude sísmica
Medida instrumental da grandeza de um sismo expressa pela quantidade de energia libertada durante a rotura sísmica. Para a quantificação da magnitude de um sismo podem ser utilizadas variadas escalas, sendo a mais vulgarmente utilizada a Escala de Richter.

Momento sísmico
Parâmetro físico utilizado para quantificar a grandeza de um sismo. Está relacionado com a área de rotura e quantidade de movimento no plano de falha e com características intrínsecas ao material rochoso afectado.

Onda sísmica
Forma de propagação da energia libertada na fonte sísmica, através de meios sólidos e líquidos. É responsável pelo movimento vibratório do solo à superfície da crosta terrestre.

Período de retorno/recorrência
Intervalo de tempo estimado para a ocorrência de um perigo de uma dada magnitude num determinado local.

Réplica
Sismo de menor magnitude que se segue ao evento sísmico principal com origem na mesma fonte ou zona sismogénica. As réplicas ocorrem geralmente durante alguns dias ou meses, sendo comum o decréscimo da frequência e magnitude com o decorrer do tempo.

Rotura superficial
Rotura do terreno ao longo do traço de falha, resultante da intersecção da área de rotura do plano de falha com a superfície terrestre, decorrente de um sismo.

​Sismo
​Um sismo representa a rotura das rochas ao longo de novos planos de fraqueza ou de planos preexistentes, designados por falhas tectónicas. Desta rotura resulta a libertação súbita da energia sob a forma de ondas elásticas que provocam a vibração do solo à sua passagem. O local onde o sismo é gerado denomina-se foco ou hipocentro e pode situar-se a profundidades variáveis (desde a superfície terrestre até algumas centenas de quilómetros). O ponto à superfície, localizado directamente acima do foco, designa-se por epicentro. Os termos tremor de terra ou terramoto são vulgarmente utilizados como sinónimos da palavra sismo.

Sismo-precursor
Sismo que antecede o sismo principal de uma série.

Tensão de cedência
Tensão máxima a partir da qual o material rochoso deixa de responder à tensão actuante sob a forma de deformação elástica. Corresponde ao momento em que é atingido o limite de resistência do material, ocorrendo cedência por rotura frágil seguida de deslizamento friccional (deslocamento). O processo é acompanhado por queda de tensão e consequente libertação de energia (na forma de calor e de ondas sísmicas).

Zona de falha
Refere-se a situações em que o plano de falha não é definido por uma superfície única, bem delimitada, correspondendo antes a uma faixa complexa onde se dispõem um conjunto de planos, de atitude aproximada, sobre os quais é distribuída a movimentação induzida pela tensão actuante.

Zona sismogénica
Área da superfície terrestre caracterizada por elevada sismicidade, potencialmente propícia à ocorrência de novos eventos sísmicos.